Notícias

Água: elemento essencial à vida humana e de todas as espécies

 Água: elemento essencial à vida humana e de todas as espécies

 

A água é o recurso mais importante para garantir a vida na Terra. Sem ela, nada sobrevive. Por esse motivo, desde 1992, comemora-se, no dia 22 de março, o Dia Mundial da Água.

Esta data é marcada por eventos que visam conscientizar a população, o poder público e as empresas da necessidade de economizar e tratar adequadamente este precioso bem.

Segundo dados da Organização das Nações Unidas (ONU), cerca de 1 bilhão de pessoas em todo o mundo não têm acesso a um abastecimento adequado. Ou seja, não têm à disposição pelo menos 20 litros diários de água a uma distância de até um quilômetro!

A água é um elemento essencial. Sem ela, não há vida! Nosso corpo humano é formado por cerca de 70% de água.

Ela é essencial para a vida de todas as espécies, sendo responsável pelo transporte de nutrientes em nosso organismo, regulador da temperatura corporal, participa de todas as reações químicas no nosso organismo.

No entanto, mesmo sabendo de todos esses benefícios proporcionados por este recurso natural, nós, humanos, através de atividades econômicas, industriais, na silvicultura e agropecuária, alteramos drasticamente a quantidade e, principalmente, a qualidade da água disponível na Terra.

A poluição das águas é causada por lançamento de efluentes industriais, agrícolas, esgoto doméstico e resíduos sólidos nos cursos d´água, atingindo não só as águas superficiais, como a subterrânea, o lenço freático.

A água potável é um direito humano que é desrespeitado, todos os dias, principalmente no Vale do Jequitinhonha, Mucuri e norte de Minas. Embora, como diz Frei Betto, “Falar em direitos humanos na América Latina é luxo. Aqui, ainda lutamos por direitos animais, pois comer, beber, abrigar-se das intempéries, educar a cria, são coisas de bicho”.

 

Alguns indicadores dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri

- Cada vez mais comunidades são abastecidas por caminhões-pipa. Como as políticas públicas não atendem a todas as necessidades, os moradores dos Vales fretam estes caminhões ao preço de R$ 150 a R$ 200, mesmo tendo direito à água fornecida pela Copanor ou Copasa. Ou apelam para a solução imediatista de abertura de poços artesianos, que afetam diretamente o lençol freático;

- Em Chapada do Norte, na cabeceira do rio Capivari, há uma barragem para irrigar plantação de eucalipto, impedindo que a água chegue à cidade para abastecer uma população de mais de 3 mil pessoas;

- Em Lelivéldia, município de Berilo, há água em caminhões-pipa para molhar a estrada de terra, para facilitar a passagem de caminhões carregados com toras de eucalipto, da Suzano Celulose, mas faltam caminhões-pipa para matar a sede da população, água para abastecimento doméstico;

- Em Itinga, o rio Jequitinhonha atende os dois lados da cidade, mas ainda há problemas de abastecimento;

- O rio Salinas, afluente da Bacia do Jequitinhonha, está definhando com um sistema de abastecimento de água retirando mais volume do que é permitido e suportável, com um tratamento de água de esgoto deficiente;

- O rio Jequitinhonha, desde a construção da Barragem de Irapé, vem apresentando uma contaminação de suas águas, com o aparecimento de peixes boiando ou com apresentação de tumores, segundo denúncia de pescadores do Baixo Jequitinhonha. Além disto, populações ribeirinhas denunciam a ocorrência de doenças derivadas da água com sintomas de coceiras e alterações na pele de famílias moradores à beira-rio;

- Os rios do Vale do Jequitinhonha e Mucuri, e as populações que dependem deles, direta ou indiretamente, veem em sua volta aviões das empresas de plantio de eucalipto espalhando produtos agrotóxicos, contaminando as águas, o solo e as plantações dos agricultores familiares e vazanteiros;

- O projeto de mineração Vale do Rio Pardo, da empresa Sul Americana de Metais S.A (SAM), pretende construir um Mineroduto, da região de Grão Mogol, até o porto de Ilhéus, com uma extensão de 482 km, utilizando 14% do volume da água da Barragem de Irapé, no rio Jequitinhonha.

 

Por falar em água... Transposição do rio São Francisco

Não podemos deixar de registrar o projeto de Transposição do Rio São Francisco que foi pensado por Pedro II e somente realizado pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Dados Gerais da Transposição do Rio São Francisco:

- é o maior projeto de infraestrutura em desenvolvimento no Brasil, além de ser um dos maiores, em andamento, no mundo;

- são mais 477 km de extensão;

- o projeto tem por objetivo beneficiar diversas cidades do interior da região Nordeste que sofrem com a estiagem, praticamente, o ano todo, beneficiando mais de 12 milhões de habitantes que residem nos estados de Pernambuco, Ceará, Paraíba e Rio Grande Norte;

- abrange mais de trezentos e noventa municípios, em sua totalidade.

- além de visar à melhoria de aspectos sociais, pretende também alavancar a economia do interior nordestino, que possui forte destaque nas atividades do setor primário, setor relacionado à produção através da exploração de recursos da natureza.

Compartilhe

Comente